Como organizar as contas da sua empresa.


Uma das coisas que o brasileiro está "aprendendo" nos últimos tempos devido a crise econômica, é a organizar as contas não só de casa, como também as do negócio não importando o tamanho. Se já não sabemos lidar direito quando esquecemos de pagar uma conta de casa, imagina quando esquecemos de pagar algo mais importante como um fornecedor importante, a conta de água ou até mesmo o aluguel.

Pensando na sua saúde financeira, separamos algumas dicas importantes de como cuidar das finanças da sua empresa:

1° Não misture suas contas pessoais com as da empresa: "Há mais minha empresa é pequena, sou só eu e mais duas pessoas que trabalham comigo..." Não importa o tamanho da sua empresa todo o dinheiro que ela recebe por meio de seus clientes é dela, esse dinheiro serve para pagar as contas, colaboradores, fornecedores e demais despesas. O que "sobra" deve ficar guardado como um fundo ou investido.

2° Crie um fluxo de Caixa: Para que serve o fluxo de caixa?  O fluxo de caixa é um tipo de controle da movimentação financeira de um determinado período de tempo, considerando entradas e saídas de dinheiro a partir de registros detalhados, pode ser feito a partir de uma visão diária, semanal ou mensal, assim ele oferece instrumentos de verificação e análise para seus negócios. É possível baixar várias planilhas de fluxo de caixa hoje na internet, não precisa necessariamente investir em um sistema para manter o seu controle financeiro.

3°  Registre todas as suas receitas e despesas: Coloque na sua planilha de fluxo de caixa todas as entradas e saídas de dinheiro, tenha controle sobre todas as entradas de boleto, salários e contas de consumo. 

4° Pagar as contas em dia é mais econômico: Além de poupar tempo, pagar as contas em dia pode ser financeiramente mais econômico, isso acontece, por que muitos fornecedores ou parceiros oferecem descontos no valor da fatura se o pagamento foi feito com antecedência. Com esta informação em mãos, é possível planejar quais pagamentos serão prioritários para aproveitar as melhores condições.

5º Programe todas as suas contas: Com todas as informações sobre seus gastos em mãos, você já pode organizar a programação dos pagamentos. Defina quais serão prioritários para o bom funcionamento da empresa e destaque aqueles que oferecem descontos para pagamento adiantado. A partir disso, marque as datas em que cada um deve ser pago, hoje muitos bancos já oferecem a opção para que você programe os pagamentos da suas contas.



Fonte: http://minhaseconomias.com.br/blog/controle-financeiro/como-organizar-as-contas-do-dia-a-dia
Fonte: http://saiadolugar.com.br/contas-a-pagar/
Fonte: https://blog.contaazul.com/agenda-de-contas-a-pagar-empresa


Saiba o que é um Derrame Pericárdio e suas principais causas?




O derrame pericárdico consiste no acumulo de líquido, que pode ser plasma ou sangue, na membrana que envolve o coração, podendo provocar um tamponamento cardíaco que é uma situação grave que pode levar à morte.

O derrame pericárdico tem cura se o seu diagnóstico e o seu tratamento forem realizados precocemente para prevenir complicações fatais ao coração.

O pericárdio é um saco resistente que envolve o coração formando assim uma camada. Quando o coração bate, ele desliza facilmente. Normalmente, apenas 2 a 3 colheres de sopa de fluido pericárdico estão presentes entre as duas camadas, lubrificando os movimentos do coração no interior do saco.

Em Derrames, acumulam-se valores significativamente maiores de líquido pericárdico. Quando pequenos, podem conter 100 mililitros de fluido. Em grandes derrames, mais de 2 litros de fluido podem estar presentes.

Causas:

A maioria dos Derrames Pericárdicos são causados por inflamação do pericárdio, uma patologia chamada de Pericardite. Como o pericárdio fica inflamado, é produzido fluido extra, dando origem ao Derrame.

As infecções virais são uma das principais causas de Derrame Pericárdico e Pericardite. Infecções que causam Derrames incluem citomegalovírus, vírus coxsackie, echovirus e VIH.
  • Outras patologias que podem causar Derrame Pericárdico: 
  • Enfartes do Miocárdio 
  • Infeções bacterianas, incluindo a Tuberculose 
  • Cancro 
  • Uremia (Insuficiência Renal grave) 
  • Lesão no pericárdio durante um procedimento médico 
  • Doenças auto-imunes (como Lúpus ou Artrite Reumatóide) 
Num grande número de pessoas com efusão pericárdica, não se consegue identificar qualquer causa. São chamados de Derrames Pericárdicos Idiopáticos.

Tratamentos: 

O tratamento consiste no uso de medicamentos como aspirina, anti-inflamatórios não esteroides como ibuprofeno ou de corticóides como a prednisolona, que diminuem a inflamação e os sintomas da doença.

Porém, se houver risco de problemas cardíacos, pode ser necessária a retirada deste líquido através de:
  • Pericardiocentese: procedimento que consiste na introdução de uma agulha e um cateter no espaço pericárdico para drenar o líquido acumulado;
  • Cirurgia: utilizada para drenar o líquido e reparar lesões no pericárdio que causam o derrame;
  • Pericardiectomia: consiste na remoção, através de cirurgia, de uma parte ou de todo o pericárdio, utilizado principalmente no tratamento de derrames pericárdicos recorrentes.
Fonte: www.tuasaude.com/derrame-pericardico
Fonte: www.asdoencascardiacas.blogspot.com/2013/02/derrame-pericardico-causas.html

Atletas precisam tomar cuidados com o Coração.




Praticar exercícios, além de ser saudável, está na moda. Quem não se sente bem ao caminhar, pedalar, correr ou nadar em uma manhã ensolarada? Melhor ainda se tiver na companhia de amigos. Aí a atividade, que poderia ser um suplício, se torna puro prazer.

Mas, antes de calçar os tênis, empunhar a raquete ou subir na bicicleta, é preciso ter a consciência de que, por mais inocente e leve que possa parecer o exercício, exige-se uma carga do coração, que precisa estar preparado para o esforço.

“Durante a atividade física, há necessidade de aumentarmos o nosso débito cardíaco, ou seja, o volume de sangue bombeado pelo coração, para que os músculos exercitados recebam suficiente oxigênio. Esse débito cardíaco resulta em grande parte do aumento da nossa frequência cardíaca, que, aliás, é a peça-chave de um treinamento físico, pois determina a intensidade do exercício”, explica a Dra. Luciana Janot de Matos, cardiologista do Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE).

É importante consultar um cardiologista antes de iniciar qualquer atividade física para se certificar de que o exercício não trará nenhum risco à saúde. Algumas doenças cardíacas preexistentes podem exigir mudança de exercício ou até mesmo a interrupção da prática.

Um estudo do qual a dra. Luciana fez parte, publicado nosArquivos Brasileiros de Cardiologia em janeiro de 2007, avaliou o desempenho cardíaco de 162 corredores de longa distância do sexo masculino, com idade entre 14 e 67 anos, em sua maioria amadores, por meio de eletrocardiogramas, ecocardiogramas e da resposta cardiopulmonar em teste de esteira. Foi constatado que 9% dos corredores apresentavam doenças cardiovasculares e 17%, alterações metabólicas. Mais da metade tinha diminuição da frequência cardíaca e 33% desenvolveram hipertrofia (crescimento excessivo) no ventrículo esquerdo, provável resultado da adaptação do coração ao aumento do esforço físico.

Antes de começar


De acordo com o American College Sports of Medicine, há determinados grupos que devem fazer uma avaliação cardiológica para começar a praticar esportes: 
  • Homens de 45 anos ou mais 
  • Mulheres de 55 anos ou mais 
Homens e mulheres – independentemente da idade – com mais de dois fatores de risco, como hipertensão arterial, diabetes melitus, sedentarismo, tabagismo, obesidade e histórico familiar de doença coronariana. 

O primeiro passo é a avaliação clínica cardiológica. “A partir daí é possível traçar o perfil cardiovascular e solicitar exames de forma individualizada”, explica a dra. Luciana. O teste ergométrico e o ergoespirométrico geralmente são solicitados para determinação da frequência cardíaca de treinamento adequada para cada praticante.
Durante o exercício

Independentemente de ter passado ou não por checkup, é recomendável interromper a atividade física caso se manifestem alguns sintomas: cansaço mais intenso que o habitual, dor torácica ou muscular, tontura, mal-estar, náuseas ou palpitações. “Nesses casos é bom procurar um médico para esclarecer os sintomas”, avisa a cardiologista.

Para os chamados atletas de fim de semana, o alerta é ainda maior: “Além de não receber os benefícios da atividade física regular, eles correm maior risco de sofrer lesões musculares”, afirma a dra. Luciana.

É importante seguir a recomendação médica para garantir a saúde antes, durante e depois dos exercícios. Para sair do sedentarismo e iniciar uma atividade física moderada, como a caminhada, é preciso praticar cinco vezes por semana por 30 minutos, ou três vezes por semana se for mais vigorosa. 

Conhecer os limites do corpo e respeitá-los, além de seguir orientação profissional, seja de cardiologista, fisiatra, médico do esporte ou educador físico, é fundamental para alcançar os benefícios que a atividade física pode proporcionar. Outro ponto importante é descansar e manter alimentação equilibrada.


10 dicas para afastar as doenças de inverno

O clima seco e mudanças bruscas de temperatura colaboram para que enfermidades como gripes, resfriados, amidalite e dor de ouvido se espalhem rapidamente. Porém, para algumas pessoas, além desses vilões, é preciso enfrentar outras manifestações que se agravam durante o inverno. É o caso da asma, pneumonia, bronquite, rinite e sinusite.

A fim de evitar esses incômodos sintomas, um especialista em pneumologia deixa 10 dicas que podem ajudá-lo a conviver melhor com o frio e os problemas respiratórios:


1 - Mantenha as roupas de cama limpas especialmente os cobertores que costumam ser morada de ácaros;

2 - Retire o pó da mobília e limpe o chão com pano úmido, evitando o levantamento de poeira;

3 - Aproveite os dias de ensolarados para arejar a casa. O sol e o ar evitam que vírus e bactérias se proliferem;

4 - Evite o contato com a fumaça do cigarro;

5 - Use soro fisiológico nas regiões dos olhos e narinas, ele lubrifica a mucosa e evita irritação; 

6 - Evite aglomerações de pessoas em lugares fechados e pouco arejados;

7 - Lave as mãos constantemente para evitar que vírus e bactérias se alojem nessa região;

8 - Beba muito líquido, mas evite as bebidas alcoólicas. Água e sucos são importantes para controlar a circulação sanguínea, composição das células, músculos e respiração;

9 - Não use carpetes e cortinas no quarto de pessoas alérgicas, pois eles favorecem o aparecimento de ácaros;

10 - O meio mais efetivo para evitar as doenças do inverno são as vacinas. A antigripal confere imunidade por cerca de um ano e a vacina contra pneumonia pode proteger por cinco anos. No caso dos idosos, a vacina antigripal é recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e distribuída gratuitamente pelo governo federal.



  



Remédios caseiros para aliviar a congestão nasal


A congestão nasal pode se apresentar desde um pequeno desconforto até situações que representam risco de morte. Pode causar complicações nos ouvidos, interferindo na audição e no desenvolvimento da fala, além de interferir na qualidade do sono, podendo causar ronco e apneia do sono (Veja mais aqui).

O aumento nas adenoides (glândulas compostas por tecido linfoide, semelhantes às amígdalas e aos linfonodos), podendo causar congestão nasal e provocar apneia do sono crônica, com hipóxia e insuficiência cardíaca. A remoção das adenoides e amígdalas deve resolver completamente o problema nesses casos. 

Para aliviar os sintomas da congestão nasal, separamos algumas dicas rápidas:

INALAÇÃO A terapia inalatória é um outro remédio popular para o alívio imediato da congestão nasal. Ela funciona como um expectorante natural para limpar o congestionamento e também lubrifica o trato respiratório irritado
  • Você pode fazer isso de 3 a 4 vezes por dia.
ÁGUA QUENTE - Você também pode executar um banho quente por alguns minutos para que o vapor acumula-se no banheiro. Inspire os vapores calmantes. Repita duas vezes por dia até que você se recuperar completamente. Outra dica bem interessante é encher uma bacia com água fervente e ficar respirando o ar que emana da água.

ÓLEO DE EUCALIPTO - Basta colocar uma ou duas gotas de óleo essencial de eucalipto em um novo lenço e inalar o aroma. Faça isso algumas vezes por dia.

FOLHAS DE EUCALIPTO-  Os extratos naturais das folhas de eucalipto possuem um efeito anti-histamínico e anti-inflamatório que favorece a redução da congestão nasal. Para que a inalação seja eficiente, ferva 6 folhas de eucalipto e depois respire o vapor da água.